Mitologia – Os Filhos de Caos

//Mitologia – Os Filhos de Caos

Mitologia – Os Filhos de Caos

Bom dia Amigos…

Continuando nosso caminho, falaremos sobre os filhos de Caos.

Os filhos de Caos nasceram de divisões assim como se reproduzem os seres unicelulares. Nix (Noite), Érebo (Escuridão), Eros (Amor), Tártaro (Mundo Inferior) e Gaia (Terra) nasceram a partir de “pedaços” do Caos, portanto a família de Caos se origina de forma assexuada.

Nix (Noite)
A Noite, deusa das Trevas, filha do Caos, é na verdade a mais antiga das divindades. Desposou Érebo, seu irmão, de quem teve o Éter e o Dia. Mas sozinha, sem unir-se a nenhuma outra divindade, procriara o inevitável e inflexível Destino, a Parca Negra, a Morte, o Sono, a legião dos Sonhos, Momo, a Miséria, as Hespérides, guardadoras dos pomos de ouro, as desapiedadas Parcas, a terrível Nemesias, a Fraude, a Concupiscência, a triste Velhice e a obstinada Discórdia; em resumo, tudo quanto havia de doloroso na vida passava ser obra da Noite.

Quase todos os povos da Itália viam a Noite representada por uma mulher nua, com longas asas de morcego e uma lanterna na mão, à vezes levada em um carro arrastado por dois cavalos pretos onde a deusa cobre sua cabeça com um vasto véu semeado de estrelas.

Muito freqüentemente colocam-na no Tártaro, entre o Sono e a Morte, seus dois filhos. Algumas vezes um menino precede-a, empunhando uma tocha – símbolo do crepúsculo. Os romanos não a punham em carro e representavam-na ociosa e adormecida.

Érebo (Escuridão)
Érebo, filho do Caos, irmão e esposo da Noite, pai do Éter e do Dia, foi metamorfoseado em rio e precipitado nos Infernos por ter socorrido os Titãs. Faz parte do Inferno e é mesmo considerado como sendo o próprio Inferno. Pela palavra Éter, os gregos compreendiam os Céus, separados dos corpos luminosos. Dizia-se que o Éter e o Dia foram o pai e a mãe do Céu. Essas estranhas uniões significam somente que a Noite existia antes da criação, que a Terra estava perdida na obscuridade que a cobria, mas que a Luz, penetrando através do Éter, havia aclarado o universo.

Eros (Amor)
O Amor inspira e produz uma invisível simpatia entre os seres, para os unir em outras procriações. O poder de Eros vai além da natureza viva e animada: ele aproxima, une, mistura, multiplica, varia as espécies de animais, vegetais, minerais, líquidos, fluídos – em uma palavra –  de toda a criação. Eros é um deus muito belo e irresistível e tinha um papel unificador e coordenador dos elementos, contribuindo para a passagem do Caos (seu pai) ao cosmos. Também é o deus da união e da afinidade universal; nenhum outro ser pode furtar-se à sua influência ou à sua força: Eros é invencível.

Tártaro (Mundo Inferior)
Tártaro é a personificação do Mundo Inferior. Nele estão as cavernas, as grutas mais profundas e os cantos mais terríveis do reino de Hades, o mundo dos mortos, para onde todos os inimigos do Olimpo são enviados e onde são castigados por seus crimes. Lá os Titãs são aprisionados por Zeus (Júpiter), Hades (Plutão) e Poseidon (Netuno) após a Titanomaquia. Ele também é representado como uma prisão subterrânea. Segundo a mitologia, nele são aprisionados somente os deuses inferiores, Cronos e outros titãs, enquanto que os seres humanos são lançados no submundo, chamado de Hades.

Gaia (Terra)
É a deusa da Terra – a Mãe Terra, como elemento primordial e latente de uma potencialidade geradora quase absurda. Gaia gera sozinha Urano, Ponto e as Óreas (as montanhas). Ela gerou Urano, seu igual, com o desejo de ter alguém que a cobrisse completamente e para que houvesse um lar eterno para os deuses.

Paz e Luz!

Dani

Print Friendly, PDF & Email
2017-03-18T20:21:42+00:0008 fevereiro 2014|Categorias: Mitologia, Mitos e Lendas|Tags: , |

About the Author: